Como lidar com uma chefe problemática

Enviado por | 3 de junho de 2013 | Dicas

Quem não lembra das chefes insuportáveis retratadas no cinema, como a de ”O Diabo veste Prada” e ”A Proposta”? Contudo, se nas telas as chefes-problema até divertem, na vida real é bem diferente. Trabalhar com lideranças fora de prumo pode ser prejudicial à saúde – sem falar nos estragos causados à autoestima. Segundo a médica do trabalho Margarida Barreto, de São Paulo, muita gente sai machucada da experiência. Em uma enquete realizada por ela no final dos anos 1990, Margarida constatou que a maioria das mulheres nessa situação se sente imprestável – resposta dada por 72% das entrevistadas – e tem depressão (60%). Ela acha que os números continuam atuais – se é que não aumentaram. Ninguém, é claro, precisa passar por esse calvário: há muitas maneiras de lidar com superioras complicadas. Veja as dicas para lidar com os quatro tipos principais de chefes autoritárias:

A CORUJA

Como é

A vida pessoal desse tipo de chefe está uma bagunça. A corujinha tem problemas em casa e seu maior desejo é passar muito, muito tempo no escritório, bem longe das confusões domésticas. A questão é que ela não deixa ninguém ir embora para não ter que ficar sozinha. A altas horas também é craque em levar serviço para casa e mandar emails para os funcionários nos finais de semana. Para quem trabalha com ela, tirar folga nos feriados é um sonho distante. Mas a vida não precisa ser assim – pelo menos, não a sua.

moça que é chefeComo domesticá-la Você precisa mostrar que não está disposta a virar abóbora todas as noites. Como essa chefe não é uma bruxa ou uma completa tresloucada, e sim apenas alguém que está misturando o particular com o profissional, há excelentes chances de você ser ouvida se usar a abordagem correta. Aqui, vale um lembrete: nada de bancar a amiguinha, pois seu objetivo é voltar a ser uma pessoa normal, que encerra o expediente antes do sol raiar, e não se tornar terapeuta. Explique que você até pode ficar mais tempo quando for realmente necessário, mas nos outros dias pretende sair no horário. Vale a pena mostrar também como o cansaço excessivo, causado pelas noites adentro no escritório, está deixando-a desmotivada e combalida. “Qualquer líder depende do desempenho do time para ser reconhecido dentro da organização e não vai querer ver o barco afundar por causa de atitudes sem sentido”, opina Vera Martins.

A RAINHA DO GELO

Como é Na tentativa de administrar a distância emocional com os funcionários, muitas mulheres, que podem até ser ótimas pessoas fora do ambiente de trabalho, se transformam em rainhas do gelo quando são promovidas. Interagem pouco com os subordinados e costumam ser rígidas porque temem ser consideradas frágeis e incompetentes para a nova posição.

Como domesticá-la Parta do princípio de que quem precisa se impor o tempo todo é inseguro. Portanto, você deve se portar como parceira, nunca como alguém capaz de ameaçá-la. “Uma chefe assim não pode se sentir acuada, sob pena de se tornar ainda mais carrasca”, observa Vera Martins. Diga que você tem toda a disposição do mundo para se tornar uma profissional melhor e que conta com ela para progredir. Essa postura ajuda a evitar críticas infundadas e transmite profissionalismo. Mas, se a rainha do gelo começar a extrapolar, apelando para agressões verbais, deixe claro que não quer ser tratada de forma rude.

A DOMINADORA

Como é Esse tipo fiscaliza os passos dos membros da equipe com medo de que falem pelas costas. “Tive uma diretora que não deixava as pessoas tomarem café no corredor porque achava que iam fazer fofoca dela”, conta Taís Cardozo, consultora da Human Brasil, em São Paulo. Quem tem esse perfil também é centralizador e segura o crescimento de todos – o temor, aqui, é que lhe roubem o cargo. Sem falar que a dominadora não hesita em melar o trabalho alheio.

Como domesticá-la Primeiro, tente a política do afastamento estratégico. Limite as conversas a assuntos estritamente profissionais. Longe dos olhos dela, talvez você escape de seu domínio. Se não funcionar, marque um horário no RH e conte tudo. “Caso nem isso adiante, pode ser útil pensar em arrumar outro emprego”, sugere Marcos Vono, de São Paulo, diretor de RH e carreiras do Ibmec, escola para executivos.

A MÃEZONA

Como é Ela dá bronca e coloca de castigo dizendo aos subordinados para pensar em seus erros. “Conheci uma que mandava as pessoas irem para casa refletir”, lembra o consultor Eduardo Shinyashiki. Intrometida, a mãezona também gosta de dar palpite no dia a dia das pessoas. Pior ainda, imagina que ninguém consegue fazer nada tão bem quanto ela. E impede o desenvolvimento da equipe.

Como domesticá-la Mesmo sem se dar conta, você pode estar sendo convidada a se acomodar e não assumir tarefas desafiadoras. O problema é que, assim, não cresce na empresa. Que tal pedir para fazer trabalhos que exijam um pouco mais de você? Se a chefe resistir, diga que conta com a ajuda dela para dar conta do recado. “E nunca comente assuntos particulares para não dar margem para ela se meter”, sugere Regina Madalozzo, do Instituto de Ensino e Pesquisa (Insper), em São Paulo.

Tags: , , , , , ,

Leave a Reply

You must be logged in to post a comment.